quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Se por um minuto o universo se esquecesse de que sou um fantoche com muitas historias p/ contar. Eu provavelmente não diria tudo o que penso, no entanto pensaria tudo o que digo. Contaria como é importante valor das coisas, não pelo se vale, mas sim pelo que significa. Falaria dos meus sonhos. Por cada minuto que fechamos os olhos perdemos sessenta segundos de luz. Andaria quando os outros parassem. Despertaria quando os outros dormissem. Escutaria quando os demais falam. E como desfrutaria de um bom sorvete de chocolate.Gabriel García Márquez
Ao fechar meu olhos senti aquele instantes, tão sucinto que não soube descrever, procurei lembranças de quando era criança,Lembrei como fui uma garota feliz. Passei com os meus dedos por cima de toda a minha vida, percorri-a ali parado, em silêncio– não me arrependia de coisa nenhuma, nem mesmo do meu mundo particular
Meu coração é feito de morango com cobertura de chocolate. Frágil! Vive imutável. Respirando amor sempre que bate. Meu tum-tum vive de receio, por vontade, ou só por medo, para pronunciar à mim que ele está lá e deve ser escutado. É, meu coração tem dessa doidice de querer gritar quando dói, quando geme, quando sente, quando quase-falece , deixa de ser e quando quer arriscar. Eu sou feita dele, da cabeça aos pés. E se não fosse por ele, eu ñ existiria
A luz da noite pode resguardar.Fecho os olhos e sinta o coração em constante estado de alerta.Sempre que ouso seu ruído do Tum-tum me tranqüilizo .A noite sinto a beleza densa que nos proporciona a luz. E a inspiração pontilhada no céu de jabuticaba de uma madrugada de outono. A luz é branda.Ao sentir meu coração deixa de ser intenso e passa a ser um vai-e-vem. Sem afobação. Como se deseja-se preservar um sossego que só a noite tem. E a noite o céu se faz azul-escuro de pontinhos brilhantes,formando um arco sobre nós. De horizonte à horizonte. Estrelas surgindo, estrelas dormindo..., Vejá! Mais uma estrela brilhou e correu pelo céu...
Na vidraça da alma temi-a as letras escritas. Pelo que recordo algumas pessoas a interpretaram.Almas de olhar forte que carregam um grande brilho naquele céu cor de mar .Tomei minhas cápsula, fui uma boa menina, compreendi o sentido da minha existência. Mas ainda espero do mesmo modo minhas pétalas que continuam vivas,imóveis,eterna.Que com sua magia me resguardar contra os males da escuridão.A vida era simples. Tinha lembranças de quando eu era menos complicada, de quando todos os acontecimentos me maravilhavam de uma mesma maneira. Pura e bonita, de quando não existia tanta dor.Lembranças de quando os episódio a minha volta desempenhavam aquele papel de linhas brilhantes de parecerem novas a cada amanhecer.

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

A Dança da leveza
Sinto este tecido passando na minha mão é como seda com contato com o corpo.Leve suave.A Dias que passa pela fase do meu rosto como uma leve brisa boa.A dança me traz cor e coragem.Maria-Flor vira seda com seus tecidos magicos.
Vermelho...
Vermelho é sua forma sua cor seu cheiro.Ele pulsa aqui dentro e faz tom-tom. Tem dias que ele doe muito.A dias que ele sente alegria.Ele me deixa viver todos os dias ouso sua voz aqui dentro.Este Coraçãopequenino faz parte de Maria Flor.
Sozinho -flor
Maria –flor se sente só. Sozinha nos pensamentos,sozinha nas horas.A Dias que Maria-Flor dança com seus medos,suas sombras e mostros.Maria flor coloca seus vestidos coloridos e frescos.Sua Flor no cabelo é e so um detalhe de suas formas. Maria-Flor tem medo da solidão...
Dias de Tinta...
E Tão estranho ver as formas as cores dos minutos e segundos.Eles ficam com cores neol,É bonito ver o quanto os dias se tornam multicoloridos somando os minutos com segundos.As vezes os minutos fica vermelho e amarelo e os seguntos branco e cinza.As horas se tornam um arco-ires.As vezes cai a chuve!
Os dois lado das moedas...
A vida é uma caixinha de surpresa um dia o sol brilha no outro ele vai embora logo em a chuva e cai a tempestade.Não importa o que aconteça sempre vem um Sol de novo a brilhar.Maria Flor e fragil como um cristal.Dias de guerra maria flor vira caco..
Cores de aromas
Caminhava no ar,prestava atenção nas borboletas.Me facinava as cores de sua asas.Sua mágia entrava e sai de dentro de mim. As vezes me tornava lagarta com medo de virar borboleta e sair voando neste mundo tão grande.As Flores tinham o aroma doce e suave.Maria Flor as vezes fica em silencio.