sábado, 27 de setembro de 2014

   Como já profere Vinícius de Moraes, quando a luz dos olhos teus e a luz dos olhos meus resolvem se encontrar, ai que bom que isso é, meu Deus, que frio que me dá o encontro desse olhar... Eu tremo. E me desfaso toda ao sentir os teus olhos em mim, pois acho que  meu coração, vira nota musical.
   É impossível resistir a esse olhos que eu insisto  em chamar Poesia de Cordel. E é involuntário ficar avaliando os teus traços, seu rosto com esta barba de moço safado , o teu cabelo cacheado  por detrás do chapéu, os ombros largos, que insto em querer  abraçar, claro, o bendito olho de mar!
   Maravilha-me esse olhar. Por ele vejo o universo de outras cores, através dele sinto outras sensações, experimento outros sentimentos e delicio-me com o que vejo. Teu olhar me é de um prazer espantoso, inigualável e incontestável ao resistir ao seu olhar te analisando, eu sinto as pernas bambearem, o coração a descompassar e um bem estar que não tem tamanho.
   É, acho que estou completamente ferrada!

Nenhum comentário:

Postar um comentário