quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Hoje Maria Flor esta com pensamentos de Caio Fernando Abreu:

Palavras não descrevem os olhos, as bocas, os braços e abraços, nem a alegria até então desconhecida, surgida de um (re) encontro. Pra quem, há dias atrás, refletia tanto as obras do acaso, hoje compreende que realmente, o acaso não passa de um simples nada, e acredita em algo bem maior que isso. Que levará à um próximo reencontro, sem sombra de dúvidas. Mas até lá, todas as músicas cantadas estarão na mente, todos os sorrisos que ainda não acreditavam no que estava acontecendo, todos os olhares que transpareciam toda a magia do momento.

terça-feira, 7 de outubro de 2014



Entendo que o universo gire em torno de rumos naturais. Ação e reação a todo o momento.
Mas a maioria das vezes sinto minha determinação se abalar, como se o corpo já conhecesse todo peso da minha existência, de tanto viver a minha história, de tanto subir montes e descobrir lugares inexplicáveis.
 Um andar na estrada, um coração vivenciando coisas tão pequenas que se tornam grande, um lugar escondido que você descobri sem perceber.. Os dias são reescrito a cada manhã. Em cada olhar, em cada gesto.
A ordem natural da vida se emparelha em versos e rimas. O que parecia grande nós faz pequeno basta olhar para o céu. Me sinto tão pequena  tão pequena como uma formiga.
Quero ser caçadora de corações generosos de gente que faz o bem sem perceber que faz.
Maria flor vive dias de Céu em paz...

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Maria Flor esta com pensamentos de Pablo Neruda:


Se não puderes ser um pinheiro, no topo de uma colina,
Sê um arbusto no vale mas sê
O melhor arbusto à margem do regato.
Sê um ramo, se não puderes ser uma árvore.
Se não puderes ser um ramo, sê um pouco de relva
E dá alegria a algum caminho.

Se não puderes ser uma estrada,
Sê apenas uma senda,
Se não puderes ser o Sol, sê uma estrela.
Não é pelo tamanho que terás êxito ou fracasso...
Mas sê o melhor no que quer que sejas.