quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Eu anseio em observar detalhes pequenos, de gente que transmite luz. Maria flor vive em um turbilhão de pensamentos e pouco fala, é que quase sempre seus gestos e sua fala não saem. Mas sem falar nada transforma seu silencio, e por si só ele se mostra. Quando escrevo o coração, mas borbulha do que a mente pensa. Abandonei a ideia de por para fora minha fala.
Quem sabe o que se fala não seja o que se sente?

 A vida vai correndo e tudo se encaixa. Tudo tem seu tempo. Os dias vão percorrendo e  transformando o tempo em movimento. O silencio se faz presente em pequenos atos.

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Penélope Guerreira nascida 1981. Naturalizada em São Paulo.  Vivencia seu mundo particular desde a infância. Sempre foi vista uma pessoa meia estanha no mundo social. Talvez por enxergar dentro de si um mundo único. Moça de traços fortes. Quando criança gostava de ouvir as pessoas que contavam historias de aventuras. Quando adolescente não se identificava com nenhum meio social, e vivia inteiramente no seu mundo particular. Nunca foi de ter muitos namorados porque nunca entendeu o amor como uma coisa inconstante. Sempre acreditou que o amor era algo muito maior. E quase não entendia o porquê do te amo e não te amo mais. O entendimento do amor continua à medida que a moça cresceu. Vive seu mundo platônico do cinema mudo. Adorava ouvir som do silencio de sua alma. Aos 18 anos conheceu a cultura popular e se apaixonou perdidamente pelo Brasil.. E Sua paixão por musicas Brasileiras Cresceu!
Formou-se em técnica em turismo.  Logo a, pois pelas pressões do mercado fez faculdade de Administração com ênfase hoteleira.   E mais duas Pós-graduações. Até tentou  aprendeu  outras línguas mas não consegui ir para frente ..... Rs! 
 A moça cresceu aparentemente, mas internamente continuava a mesma... 
Encantou-se pelo mundo ioga e assim conheceu a dança indiana. E novamente se apaixonou pelo mundo da índia.  Mas faltava alguma coisa dentro de si e resolveu entender a língua que falava, mas não compreendida. Então resolveu ingressar novamente em mas uma faculdade /Letras em Português e literatura, e novamente se apaixonou pelas palavras.
Apesar da dislexia na escrita aprendeu a compreender sua língua de uma forma diferenciada. Alguns dizem que esta moça e razisa, outros louca. Por ser estabanada engraçada. Mas não me importo porque gosto de ser quem eu sou.  Cada dia que passa tenho certeza que ainda tenho muito aprender. Porque nada sei! A solidão é só um processo verdadeiro de ser o que se é.  Chegando nos 35 anos (18/11) agradeço ao universo pela oportunidade de evolução junto aos meus pais e meus antepassados por me darem esta oportunidade de reencarnar. Gratidão!

               

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Esta tudo confuso. Estou no meu imaginário novamente, como antes, em frente ao espelho eu me olho.  É estranha a sensação de olhar e enxergar o seu reflexo. Será que realmente transpareço tudo que sinto? A casca às vezes não permite..  Às vezes os receios nos transformar em pedra. Talvez seja o medo ou as letras das palavras interpretadas erradas. Quase sempre a um não entendimento da interpretação de cada suspiro. E tão difícil se expressar. Sou uma moça teimosa insisto em ser o que se acredita. O problema é que às vezes o que se acredita não é o que se transparece. O jeito é aprender com os erros e acertos da vida. Maria flor anda querendo andar descalça nos seus sonhos. 

segunda-feira, 5 de setembro de 2016


Quem sabe a loucura esteja relacionada com jeito que enxergamos o mundo.  Quase sempre passo esta impressão. Quase sempre não concordo. Tento ao máximo não transparecer, mas a verdade é que não consigo não demostrar o que sinto. Talvez o que eu acho certo seja errado para outros. Acho que a loucura sempre esta relacionado com o tipo pensamento de cada um. Ser louco não significa sair gritando tirando a roupa. Provavelmente  isso é um tipo de loucura sim, mas ao meu ver isso é um tipo de loucura de desiquilíbrio emocional.  Será que existe algum tipo de loucura racional? Acho que nesse mundo isso não seria possível kkk!
Não sou muito de falar o que sinto, mas gosto de ser o que sinto. Escrever o que sinto. Isso quase sempre! Este é o meu maior problema demostrar o que se é nos gestos nas atitudes. Quem sabe demostrar o que se sente seja um tipo de loucura. Talvez tenha que se separar a loucura do egoísmo.  Porque não se pode desrespeitar o outro. Ninguém é obrigada a entender os gestos insanos do que se sentimos. Estou pensando muito sobre isso ultimamente.  Separar a loucura do egoísmo. Talvez minha loucura de achar que ser o que se sente é o que se  é, esteja virando normal para mim. Prometo que vou tentar separar o que sinto com o que eu penso.  Quem sabe assim tenha mas tranquilidade.


domingo, 4 de setembro de 2016


Bom dia Maria Flor...!!

[...] Poderíamos morar numa casinha de sapê, rústica, na praia ou numa montanha (ou as duas coisas), com o verde dos lados, o azul na frente e, ao entardecer, teríamos o rosa alaranjado, misturando-se ao azul escuro da noite que vem chegando pra juntinho de nós, pintando o céu com bolinhas brilhantes, convidando a gente a se deitar na areia ou na rede da varanda e assistir ao semblante da natureza nos espiar lá de cima, enquanto a gente se deixa embalar por ela, pela brisa, pelo afeto e pelas horas quietas que insistiriam em passar ligeiro só pra teimar comigo, que as queria escorrendo mais lentamente, pra que eu pudesse te ter no meu colo por mais tempo, mais um bocadinho que fosse, mas sairia ganhando, estava no lucro. Teria você. [...]

 Ester Barroso

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Para Hoje ...

31/08/2016


Brasil é mal administrado desde que Pedrinho botou seus pezinhos aventureiros na Bahia.
O convite é olhar para si. A única forma de mudar o mundo é mudarmos a nós mesmos e a mudança só funciona de dentro para fora.
Precisamos olhar para os nossos próprios defeitos com mais honestidade e olhar para fora com mais carinho e menos julgamento! Falta olhar-se no espelho e enxergar a própria podridão e sordidez e, ao invés de apontar sempre os mesmos culpados, responder-se com a sinceridade mais cruel possível: o que VOCÊ aí do espelho está fazendo para mudar o mundo?
Como está educando seus filhos? Fala que não é machista, mas acha que mulher não pode "dar por aí" e que a sua filha tem que ser "menina para casar" enquanto seu filho é o garanhão da faculdade e ainda chama feminista de feminazi? Ou, se diz não homofóbico, mas não deixa seu filho fazer ballet "porque é coisa de menina ou de boiola?" É contra o Bolsa Família porque é populista e não ensina a pescar, mas dá aquela contribuição mensal a uma instituição de caridade porque é mais fácil do que ir lá ajudar semanalmente? Ou nem isso? É contra a desonestidade, mas cola na prova? E quantas músicas e filmes já baixou esse mês sem pagar pelos direitos autorais?
Eu te pergunto: você que está tão indignado com o petrolão, mensalão, sei lá quantos mais "ãos" o quão indignado se sente com a situação da criança que vem te pedir dinheiro no semáforo com o olhar triste e distante? O quanto te "revolta" quando passa por uma favela ou vê pessoas vivendo em condições de miséria material e emocional, completamente abandonadas pelo Estado? Quantas vezes você bateu panela pelas milhares de crianças que não estudam e sequer podem comer mais do que uma refeição por dia?
Qual o grau de dor física que te causa saber que milhões de brasileiros vivem na extrema miséria (sendo que se você ganha mais de R$ 70 aparentemente já não é mais considerado miserável!).
Você pode não ter culpa mas tem RESPONSABILIDADES!
Não é possível continuarmos a viver olhando apenas para o nosso umbigo. Para os nossos argumentos e para o nosso sofrimento! Acabou o iogurte no mercado: fodeu! Viramos a Venezuela. Sério! Para e pensa no ridículo desse problema perto do que milhões e milhões de brasileiros vivem e viveram por séculos. A corrupção não é novidade. Certamente ela não é novidade para quem cresceu sem saneamento básico e asfalto porque a verba nunca chegou. Ela não é nada nova para quem não teve acesso à educação básica e à saúde por séculos e décadas, muito menos para os que vivem sem água no sertão ou para os que morrem todo ano nas enchentes fluminenses. Então, não se engane dizendo que a sua revolta é com o nível absurdo de corrupção! Pois ela está aí corroendo o Brasil há séculos de formas muito mais perversas e nem por isso você gastou seu teflon com isso.
Também não podemos continuar apenas perpetuando discurso de ódio e culpando os outros pelos nossos problemas sem que nos dediquemos minimamente a aprofundar a reflexão e fazer algo para resolvê-los. Chamar o cidadão de coxinha não vai resolver em nada! Culpar o empresário que acorda cedo, paga impostos e que gera empregos também não! Muito menos ajuda defender o governo cegamente com unhas e dentes sem enxergar suas incoerências, sua hipocrisia e demagogia.

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Sorri como uma criança que adora brincar, aproveitei todas as borboletas que existia dentro de mim.  Era as lembranças de retratos interno. Lembrava-se dos meus sonhos e no tempo que já havia passado.  O sorriso permanecia de coisas pequeninas que a cor da vida me trazia. O colorido de amizades construídas e afetos de pessoas que ficaram e foram ao longo do tempo. Dentro de mim existia um despertar.
As borboletas coloridas saiam daqui por todos os lados. E lembrei que já não era a mesma.Mas ainda existia algo dentro de mim daquela menina. As sementes já estavam germinadas mas a essência permanecia.



terça-feira, 26 de julho de 2016

Repare surpresas. Borde delicadezas no tecido às vezes áspero das horas. Reinaugure gestos de companheirismo. Mas, não deixe para depois. Depois é um tempo sempre duvidoso. Depois é distante daqui. Depois é sei lá.
Ana Jácomo

domingo, 24 de julho de 2016

Eu uma moça cansada de tanta desilusão. Tinha jurada que meu coração não teria mas emoções forte. Até que uma noite qualquer surge do meio à poesia de cordel pulsando com um brilho tão forte que meu olhos fecharam. Fiz de tudo para acreditar que aquilo era arte e não um encanto.  Meus olhos iluminaram sobre seu sorriso. Nossos caminhos tinham se cruzado e eu não estava preparada. Você era só um menino e eu uma moça que não podia ser tocada dentro do coração, pois havia muitas Cicatrizes.  Mas seu brilho iluminava a cidade é havia luz por todo lado, eu não era a única moça que suspirava sobre sorriso.Mas tudo bem isso era um bom motivo de me manter longe. Acreditei profundamente que nossos mundos eram diferentes. Deixei a poesia ir embora, mesmo que ela cantasse dentro de mim.  Vi todas as suas poesias de amor. Respeitei deixei vc ir.  Mas minha alma permanecia o encanto  com gosto de chocolate.
E hj vejo que a verdade é que somos iguais andamos sobre a mesma poesia de Cordel.
O senhor e a senhoria andamos com a mesma teimosia. O lema de vida. Tudo bem.
Eu continuo sentindo  escondido como na primeira vez mesmo que só aqui.

sexta-feira, 8 de julho de 2016

Ela pensava e repensava naquele instante. Procurou aquela música. A canção invade cada pedacinho da sua alma com uma doçura gostosa. A Moça sorria em segredo e sua alegria atinge seu olhar, escondido dentro de seu coração.
Já era quase fim de tarde. Suas lembranças alcançaram a luz do sol que se esconde atrás da cidade cheia de concreto, O mar era sempre sua melhor melodia. Um vai e vem sem o menor sentido de existir. Ela sentia sempre tão urgência: não há sentido, visto que quase nunca conseguia chegar aonde queria.
A música era sempre com o mesmo tom, era luz de suas pequeninas lembranças. Afoita.  Ela sente mas não consegui prosseguir. Seu coração sorria. O pensamento voa bem longe. Imagina acordada Lado a lado, aqui ou lá. Compondo a mesma canção, olhando para o mesmo luar. Sentindo o mesmo toque em cada pedacinho do corpo, com uma simplicidade gostosa. Sinto  em silêncio...

terça-feira, 7 de junho de 2016

Amanheci com uma saudade saltando no peito. Acho que era de pequenos detalhes que ficaram nas lembranças de trechos pequenos.Tenho esta mania de memorizar canções fortes.   Sei que parece insensato ter saudades do que não se vivencia, mas acordei entendendo que tem coisas que não se explica, se sente.Fiquei fotografando os detalhes numa tentativa de eternizar o que foi o que ainda será.


sexta-feira, 13 de maio de 2016

Vou ser franca, mas minha lembrança anda meio estranha quando tento memorizar os fatos que começaram a me contraria. simplesmente tenho pânico  excessivo desses monstros miúdos e sombrios .Basta pensar neles, que me apavoro e tudo começa. Um suor vai brotando em mim eu fico em constate estado de alerta. Preparo-me para correr de qualquer ataque. Acho que por isso acabo sendo agressiva algumas vezes. Sem motivo em qualquer razão. Tento me proteger dentro do meu casulo.

Sei que o mundo não é perfeito e não existe certo ou errado. Mas prefiro ser realista comigo. Só comigo. Sabe quando você tenta se entender por dentro. Mas falha quase sempre quando não arrisca?
Sim, estou fracassando com milhões de abelhas dentro de mim. Tenho coisas tão doces e coloridas dentro do meu coração, mas não consigo me permitir que a doçura sai de dentro de mim. Preciso distribuir este mel urgentemente. Tomara que ainda haja tempo. Maria flor vive dias de colmeia dentro de si.

sábado, 7 de maio de 2016

Demorei a compreender os fatos. Mas acho que não posso fugir de nada, mas e melhor que eu saiba. Que eu veja. Só assim tenho que me acostumara aprender  que as escolhas são opção de cada um. Sei lá, sempre quis ficar longe  para não me machucar, mas a verdade é que estando perto não fantasio. Desculpa Maria Flor, mas a sinceridade é a melhor forma de você aprender. Sério! Não é  algo que me faz compreender melhor meus sentimentos, porque sei que, como diz o eterno poeta ''o invisível e essencial ao homem.''
Mas acho que este estar perto invisível seja, mas doloroso do que estar perto de corpo e alma. Tenho tanta vontade de estar perto. Mas acho que tenho  que me preservar em alguns momentos. A culpa não é de ninguém. Só minha, e do que compreendo sobre o mundo.
Que meu coração seja sincero como sempre foi comigo. Estou sempre com vc  mesmo que vc nem imagine. Não importa talvez o meu maior erro é não fazer me compreender!
Mas ainda bem tenho minha escrita, meus poemas e os grandes poetas que moram dentro de mim. Como diria os poetas:
Moça você é mas poesia que mulher!!

segunda-feira, 2 de maio de 2016

Acho que posso dizer que já fui foi uma menina. Ela sorria e brincava de fada algumas vezes. Ela sempre acreditava que o bem sempre vencia. Que os coloridos de seus dias nunca acabavam.E seu mundo de brilhos sempre permanecia diversas vezes por dentro dela, todos os dias. 
A menina cresceu, e seus dias coloridos não são, mas o mesmo. Quanto mais a idade, seu olhar leva no brilho o peso dos seus sentidos. Aqui adentro ficam expressões conhecidas. Memorias perdidas.No instante percebe o quanto crescer é um processo difícil de ter lucide, e seguir em frente.  Entrar no eixo.
 Sinto tanta falta  dos gestos de menina, acreditar nos dias. Naquele calor.
 Contos e fantasias que lhe traziam esperança de dias verdadeiros.Preciso buscar dentro de mim aquela menina de sorrisos de esperança. Quem sabe assim, transformo meus dias em leveza.

.

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Bom dia Guimarães Rosa:
O sertão é do tamanho do mundo.
Sertão é dentro da gente. O sertão é sem lugar. O sertão não tem janelas, nem portas. E a regra é assim: ou o senhor bendito governa o sertão, ou o sertão maldito vos governa. O sertão não chama ninguém às claras; mais, porém, se esconde e acena.
O sertão é uma espera enorme.
Sertão: quem sabe dele é urubu, gavião, gaivota, esses pássaros: eles estão sempre no alto, apalpando ares com pendurado pé, com o olhar remedindo a alegria e as misérias todas.
A vida é ingrata no macio de si; mas traz a esperança mesmo do meio do fel do desespero.
A vida é muito discordada. Tem partes. Tem artes. Tem as neblinas de Siruiz. Tem as caras todas do Cão e as vertentes do viver.
Manter firme uma opinião, na vontade do homem, em mundo transviável tão grande, é dificultoso.
Viver — não é? — é muito perigoso. Porque ainda não se sabe. Porque aprender-a-viver é que é o viver mesmo.
Enfim, cada um o que quer aprova, o senhor sabe: pão ou pães, é questão de opiniães...
Feito flecha, feito fogo, feito faca.
Vi: o que guerreia é o bicho, não é o homem.


quarta-feira, 13 de abril de 2016

Bom dia! Ana Jacomo!


E se não quisermos, não pudermos, não soubermos, com palavras, nos dizer um pouco um para o outro, senta ao meu lado assim mesmo. Deixa os nossos olhos se encontrarem vez ou outra até nascer aquele sorriso bom que acontece quando a vida da gente se sente olhada com amor. Senta apenas ao meu lado e deixa o meu silêncio conversar com o seu. Às vezes, a gente nem precisa mesmo de palavras.

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Bom dia  Maria Flor:
Ah, e dizer que isto vai acabar, que por si mesmo não pode durar. Não, ela não está se referindo ao fogo, refere-se ao que sente. O que sente nunca dura, o que sente sempre acaba, e pode nunca mais voltar. Encarniça-se então sobre o momento, come-lhe o fogo, e o fogo doce arde, arde, flameja. Então, ela que sabe que tudo vai acabar, pega a mão livre do homem, e ao prendê-la nas suas, ela doce arde, arde, flameja.
Clarice Lispector

sexta-feira, 8 de abril de 2016

As ideias vieram deslizando de escrever o que pulsa. As letras arremessam as frases que ficam aqui dentro e, uma a uma, permanece sem fala sem som, sufocando aos poucos.  Coragem! Preciso descrever, preciso registrar,  preciso falar!
Preciso mostrar o que se passa aqui dentro. Mas as frases se mostram imperceptíveis. Não existe uma sequencia de começo, meio e fim. Não arranjo jeito de organizar as ideias.  A pontuação fica confusa. Mas a única coisa que consigo registrar e o que pulsa. Somente pulsa.  “O pulso ainda pulsa” como diria a canção dos titãs.

As batidas do meu coração insistem em permanecer, porque ainda carregam um riso bobo e um olhar estático. Relutam em bater, respiram fundo, olham para o alto mexo  o corpo e os ombros.  Ouso o coração em um ritmo que aumenta o tom a medida que o toc toc toc.  Insiste em bater. 

terça-feira, 29 de março de 2016

Ando pensando que algumas vezes mundo gira e volta ultimamente. Será que existe uma conversa do universo dentro da gente?  Quanto mas você foge para se proteger, mas o universo te pede para esclarecer!  Sei que exagero às vezes no julgamento. Mas minha dureza não passa de um casulo e proteção. Na verdade não serve para muita coisa aqui dentro. Só para se esconder. Tudo bem!  Tenho que parar de ser teimosa comigo.  Deixar o universo rodar.   Acho que ultimamente o universo está rodando e me pedindo para ser menos intolerante. Olhar dentro dos olhos, escutar os sons. Ouvir mas do que falar.  Compreender sem julgar. Eu prometo aqui dentro de mim que ao menos  vou  me ouvir. Meus olhos castanhos andam meio sem brilho. Mas vou buscar novamente as covinhas do meu sorriso em pequenas coisas que me fazem feliz.  Só quero que minhas escolhas sejam, mas precisas e menos ilusórias.

sexta-feira, 18 de março de 2016

Basta estudar os períodos literários, para descobrir que a sociedade não evoluiu! 
Hoje Maria flor acordou se sentindo sem lucidez:

A lucidez, e conscientização (diante das coisas como elas realmente são, ou de um fato isolado) de cada um são equiparáveis à alegoria de estar contemplando um quadro, uma fonte geradora de pontos de vista restritos à capacidade de interpretação de cada um. Uns dirão que vêem um monte de manchas, outros notificariam um leito de um rio cercado por
árvores, com um céu límpido, outros enxergarão que além disso há montanhas no fundo, com pássaros dilacerando o céu, outros perceberão tudo isso, e a diferença dos tipos de pincelada, das cores usadas na pincelagem do rio, das partes em que a luz do sol incide, outros, além disso, entenderão qual a mensagem por de trás do quadro. Outros, mais esforçados, terão o privilégio de assimilar a real intenção do pintor ao passar a mensagem, e até possibilidade da imagem ter sido produzida sob mando de terceiros . Não importa a etnia, a classe social, o contexto, e nem mesmo o lugar; perpetuará ainda por bastante tempo, uma grossa camada, numericamente superior, composta por aqueles que não param pra
observá-lo por entregar-se ao ledo engano de que a avaliação da obra não é digna do seu tempo. Quando o quadro vem a se tornar o assunto em questão, esses últimos facilmente acreditam quando um mentiroso qualquer afirma ter visto um porco voador pintado em forma de paisagem, e ainda defendem veementemente o comentário, pelo fato do parlapatão ter levado o quadro de baixo do braço no dia anterior à exposição.Infelizmente, o último dos observadores é o modelo que mais bem retrata o real nível entendimento proveniente da maior fatia estatística de estimadas centenas de milhões de pessoas
que compõe esse país.Eclodem debates diante de mais um festival carnavalesco de democracia, sobre mais um assunto não tão importante quanto a necessidade de uma retificação da forma com que se governa o país.-E no final das contas, quem é que pinta o quadro da nossa rotina com esse lodo, escombroso, imundo e pestilento? Pergunta o pintor se rindo todo, tratando de complementar o silêncio reticente, com a resposta .
-O observador. São os olhos da mente que fazem a obra, e se essa apresenta-se turva, distorcida, é por culpa da falta de visibilidade ou falta de capacidade de interpretação do observador.Hahaha, o melhor disso tudo, é que, enquanto ninguém aqui entender de "arte", continuarei "pintando e bordando", como bem me for conveniente.

quarta-feira, 16 de março de 2016

 Meus pensamentos foram Roubados dentro da flor.
Admirei como era suave sua beleza. Seu perfume e a simplicidade de detalhes tão pequenos, e frágeis. Ultimamente me sentia assim. Tão desprotegida a fatos e circunstância que não tinha, mas como fugir.  Parecia loucura, mas quanto, mas me protegia, mas doía dentro de mim. Meus dias eram acumulados de lembranças pequenas bloqueadas adentro de mim.  
 Eu dormia e acordava com o coração pesado amarrado dentro do peito com barbante trançado.Eu sei que pareço uma louca amarga e sem a menor nossa. Mas infelizmente não posso permitir que meus sentimentos não  tenham clareza dos fatos. Não posso machucar o mundo a minha volta com meus medos pequenos.
 Seria muito egoísmo da minha parte descontar todo meu sentimento de frustração a minha volta.
Acontece que eu sinto tanto não conseguir mostrar o quanto é grande o que sinto. O quanto vive aqui dentro e pulsa. Sabe quanto você olha e tem aquela vontade imensa de dividir o seu mundo com alguém? Que parece tão parecido com você! Que você quer disser tanta coisa e mostrar ao mesmo tempo. Mas você estraga tudo no pequeno detalhe de simplesmente não conseguir ser quem você realmente é. Mostrar quem você  é realmente?
 É simplesmente patético eu sei leitor. Mas o fato é que algo dentro de mim não me deixa. Já desisti eu juro!  Mas não queria de verdade. E mas forte que eu. Por mas que eu tente. Quero acreditar que a pequena diferença dos mundos que existe entre nós, me leve para longe.  Algo que não esteja, mas dentro de mim, sei la!
Qualquer detalhe minúsculo ou maiúsculo que me faça acreditar seriamente que você não existe dentro de mim.  Não me recordo quando foi que tua pele sequer me lembra do cheiro que ela tinha, mas os detalhes ficaram tatuados em mim de tal forma que as lembranças ficaram fortes. Já não luto mais contra ela. Aprendi a compreender que as coisas realmente são porque algum dia existiram.

Queria ter esta facilidade de ter um coração que ame outras pessoas, mas facilmente. Mas infelizmente não sou assim. Acredito que tudo tem seu tempo. E o meu vai chegar. Qualquer hora eu vou ser feliz e aprender a ser mas leve aqui dentro.

quarta-feira, 9 de março de 2016

Nada mas lindo do que escrever no mês da mulher:
Dentro cada ser feminino é preciso saber o que represento?
 O que é realmente ser mulher?

Amar-se dentro coração. Sinta-se profundamente de dentro para fora.  Quando não sentimos a essência feminina o ser mulher, não consegui ser identificado. Nos realizamos sendo aquilo que desejamos. Não importa qual papel nos propomos,o importante e ser você mesmos.
Ser antes de tudo uma mulher consciente com o mundo lá fora.  O ser feminino tem um papel importante no universo. É essencial que a gente passe a nos observar. T O D AS AS  HORAS.  Ser mãe com consciência. Porque gerar uma criança significa muito mas do que ter um filho. É um ser vindo no planeta em evolução. Precisa ser amado. Não podemos pensar em nós e sim no que pode gerar beneficio para a criança.  Ser mulher no ato de doação universal. Ter energia vital. Acreditar em si. E antes de mais nada  respeita-se.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

A ela adorava levantar devagar apreciar seu café da manhã, com toda calma do mundo. Seus pensamentos viajavam em qualquer lugar longe desse mundo. Tudo parecia loucura ao seu redor. Ou talvez ela fosse louca. Só achava que o mundo deveria ser diferente.  Mas a verdade e que pouco conhecia desse mundo. Talvez ela ate enxergasse algo real e verdadeiro entre as pessoas a sua volta. Ela sempre sorri para corações verdadeiros. E acreditava em um mundo melhor. Mas antes de viver em um mundo melhor é preciso se olhar. A gente critica critica mas não muda. 
 Estou aprendendo a olhar aqui dentro.  Você esta verdadeiramente fazendo sua parte? E enxergando e aceitando que ninguém é perfeito. E sabe o que eu acho? Mais prevalece aquele que te aceita com todos os seus defeitos do que alguém que análise você em uma variante fajuta de você mesmo. Se respeite, se analise, se ame, cresça, cuide de si para que naturalmente o outro, tenha recíproca verdadeira.


quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

O esquecimento, freqüentemente, é uma graça. Muito mais difícil que lembrar é esquecer! Fala-se de “boa memória”. Não se fala de “bom esquecimento”, como se esquecimento fosse apenas memória fraca. Não é não.
Esquecimento é perdão, o alisamento do passado, igual ao que as ondas do mar fazem com a areia da praia durante a noite.
Rubem Alves

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Como é bonito o sutil da sua presença, basta me. E tão nítido sua alegria as pessoas sentem no ar. Seu sorriso de menino bagunceiro trás a certeza de um mundo melhor.Sou uma moça observadora eu juro. No sutil do silêncio do seu canto. Apesar desse meu jeito duram. Quem sabe desse coração de menino? “Só Oxossi.” Me inspira literatura toda vez toda hora. Amores vêm e vão, EM NOSSAS VIDAS.
Desde que nossos caminhos se cruzaram vivo a fugir de mim literalmente. Maria Flor complicada como sempre. Com o coração solitário e confuso de escolhas  inseguras. Já o seu coração vive apenas certamente. O meu silencia já faz tempo. Seus poemas e canções das Moças morenas bonitas e faceiras. Quem resiste! Mas naturalmente que seu coração tem que pulsar, não posso me opor. Mesmo que doa, no fundo da alma. Tenho que te deixar ir. Deixar ser feliz.Sei que as vezes acabo te julgando. Mas a verdade é que não tenho direito.Até porque não estou dentro de você para saber o que sente. Só sei o que se passa aqui dentro de mim, é sei que aqui mora uma tempestade tão grande, que ainda precisa ser curada. Mas confesso que o seu brilho já pulsa forte aqui dentro esperando esta cura. Sei que não vivenciamos muitas coisas juntos. Tivemos nosso tempo. mas infelizmente estava machucada  demais para acreditar. Mas acredito em forças maiores. Quem sabe em outras vidas. E garanto este coração é seu. Pelo menos ate quando deus quiser. Mesmo que distante. Mesmo que não existe nos dois. Não importa. É engraçado sentir algo assim sem ao menos entender. Nunca senti. Algo tão distante do real. Do mundo real entende? A não ser quando era uma menina. Já faz tanto tempo. Já havia esquecido. Mas a verdade é que o amor não precisa ser algo comum pode ser diferente. Ele não precisa ser falado.  Ele pode estar na poesia talvez nas músicas na inspiração das notas musicais. Ou talvez no silêncio da noite. Só sei fala de mim. No que esta escrita em mim. Nada mais.Com diria o saudoso poeta Vinicius de Moraes:
 No Samba da Bênção:
"Mas pra fazer um samba com beleza"
É preciso um bocado de tristeza
É preciso um bocado de tristeza
Senão, não se faz um samba não".
O fato é que o tempo corre é a vida segue, não importa nossas escolhas. As pessoas que estejam conosco. Vamos estar ligado de alguma forma  no instante que nossos caminhos se cruzaram. Dentro das águas que correm no rio e desaguam no mar. Vivendo nossas vidas. Quem sabe algum dia nosso encontro seja real. 
Resolvi escrever estes RELATO porque sonhei com você esta noite e meu coração tinha que dizer. Já faz um tempo que te silencie novamente. Talvez porque a vida deve seguir. Mesmo assim hoje te escrevo em silencio novamente
.Feliz ano novo moço da poesia de cordel. 

terça-feira, 12 de janeiro de 2016

O ano de 2015 se encerrou. Foi um ano de muitos acontecimentos, mas um ano se foi. Terminando o ciclo de aprendizagem. Todo ano é uma chance de crescimento. Os obstáculos que sempre aparece e, nos faz refletir sobre nossas ações e maioria delas, é consequência de nossos atos. Como se faz para entender a si? Acho que venci em alguns momentos. As barreiras internas.Eu perdi muitas chances eu sei. Mas nunca deixei de acreditar. 
Muitas coisas boas acontecem todos os anos. E quando o final do ano chega só pensamos no pior. A verdade é que o relógio corre e só olhamos o tempo do ano. Nossos atos são o presente. E não é o novo ano que muda isto, mas sim nosso modo de pensar de agir.  Acho engraçado as pessoas dizerem este ano vou ser melhor vou fazer diferente. A verdade é a mudança tem que vir de dentro para fora e não depende do ano e sim da forma como enxergo as coisas a minha volta.
Cada dia que passa percebo o quanto preciso mudar, o quanto tenho ser mais compreensiva com as pessoas e o mundo. Como é difícil, entender os atos das pessoas. E tão difícil sentir sem cobrar.
Mas estou aprendendo que para cobrar tenho que exigir a mim mesmo a mudança. Cobrar de mim. Só de mim. Ninguém tem culpa dos medos internos nem das nossas escolhas. Seria tão lindo enxergar o bem em tudo. E derrotar o mal com bem. Que o bem se destaque 2016. 
Assim seja!