terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Quando eu era criança, deixava a luz do abajur, acessa. Sentia-me, mas segura ao dormir. —  Quase sempre funcionava . Hoje não existe segurança garantida, porque sei que toda a verdade vem à tona. Esse é o jogo de estar vivo. Talvez o que se tenha como verdade não seja realmente a verdade. Mas o fato é que ser o que se acha verdade não é normal nesse mundo.
Aparências das coisas quase sempre se confundem.  Tenho tentado perceber as entrelinhas  dos fatos. É tão difícil de entender.  Vou tentar achar menos e  falar menos também.
Maria flor vive dias do que se plantou.

.